politicas-de-remuneracao-enlizt-sinsalarial

Políticas de remuneração: melhores práticas e as tendências mais recentes do mercado

De acordo com o estudo americano realizado pela PayScale, o 2021 Compensation Best Practices Report, 82% das empresas repensaram suas políticas de remuneração e deram aumentos salariais básicos em 2019, mas apenas 64% fizeram o mesmo em 2020, indicando um padrão e uma tendência potencialmente desastrosa para a desigualdade de renda em 2021. 

Dá uma olhada nesse resumo:

  • Mais da metade das empresas 😱 admitem não ter uma estratégia e políticas de remuneração;
  • Dois terços afirmam que a compensação é crítica este ano e apenas 30% estão dispostas a se adaptar;
  • Mais do que nunca, os funcionários têm mais poder de barganha sobre os salários, especialmente em uma recessão, visto que 80% das empresas definem salários para engajamento e retenção de seus talentos.

A pesquisa analisa padrões e percepções do empregador sobre tópicos como COVID-19, aumentos salariais, política de remuneração, igualdade salarial e transparência salarial. A principal descoberta do relatório é que a maioria das empresas reconhece que precisa desenvolver um plano de remuneração, mas não sabe por onde ou como começar. 

Aqui no Enlizt SinSalarial salientamos a importância de cruzar os nossos dados com outras instituições que compartilham da mesma missão, para o bem das políticas de remuneração a nível mundial. Então achamos por bem trazer esses dados tão importantes para você. 

Participe das Pesquisas Enlizt SinSalarial 2021 e tenha dados para o embasamento de suas estratégias de cargos e salários

65% das organizações acreditam que as políticas de remuneração serão relevantes nos próximos 12 a 18 meses

De acordo com a Payscale, registrou-se um aumento notável do número de empresas que têm estratégia de remuneração (45%) ou estão implementando uma (31%). A evolução é de 6% em relação aos anos anteriores. 

Além disso, quase dois terços das organizações (65%) acreditam que as políticas de remuneração serão relevantes nos próximos 12 a 18 meses, no entanto, apenas um terço (30%) está preparado para se adaptar.

De acordo com a Pesquisa de Melhores Práticas de Compensação da PayScale, 2021 será o ano em que a estratégia de compensação faz ou destrói negócios, disse Shelly Holt, diretor de pessoal da PayScale. 

Crítico né? Olha essa: “Questões importantes como segurança no local de trabalho, flexibilidade, diversidade, justiça, igualdade e remuneração total devem ser abordadas pelos empregadores. Empresas inteligentes podem usar dados de salários e software de compensação para tomar decisões de negócios estratégicas e executar suas operações no melhor interesse da empresa e de seus colaboradores”.

A compensação é um procedimento de longa data em muitas empresas, mas foi destruída em 2020 devido ao impacto do COVID-19 e da recessão subsequente. 

Embora a pandemia tenha tido um efeito negativo sobre a receita de pouco menos da metade das organizações participantes da pesquisa (45%), cerca de um terço das organizações implementaram ajustes de compensação de algum tipo, como cortes salariais, congelamento de salários e indenização. 

Isso é raro durante uma recessão, uma vez que os empregadores são mais propensos a demitir funcionários em vez de ajustar os salários, isso significa diminuir a moral e o engajamento. 

Além disso, apenas 64% das empresas deram aumentos salariais em 2020, uma queda de quase 20% em relação aos anos anteriores. A previsão é que esse padrão se mantenha ao longo de 2021 nos Estados Unidos e, aqui no Brasil, vamos constatar esse dado por meio das Pesquisas Enlizt SinSalarial. 

Ferramentas analíticas e agilidade são essenciais para extrair insights e criar modelos de dados

Os empregadores precisam de acesso a dados confiáveis, precisos e atuais do mercado para desenhar políticas de remuneração inteligentes. 

Além disso, ferramentas analíticas e agilidade são essenciais para extrair insights e criar modelos de dados para ajudar nas decisões estratégicas de negócios. Por isso, é importante considerar a tecnologia como ferramenta de sucesso nesse processo.

Mais de 5.000 empresas de vários setores nos Estados Unidos foram entrevistadas para o Estudo de Melhores Práticas de Remuneração de 2021. A seguir estão alguns destaques adicionais:

  • Aproximadamente 45% das empresas relataram um efeito negativo nas vendas, enquanto 25% relataram um impacto positivo em decorrência do COVID-19. Cerca de um terço das empresas implementou reformas salariais (cortes, congelamentos, diferimentos e aumentos temporários).
  • O uso de políticas de remuneração está aumentando, mas os empregadores estão divididos quanto a permitir ou não que os funcionários trabalhem remotamente. Cerca de 75% das empresas afirmam ter uma estratégia de remuneração ou estão trabalhando em uma, mas o restante (56%) não. E menos de 12% das empresas têm um plano de trabalho remoto, enquanto 50% não acreditam que o trabalho remoto teria efeito em sua estratégia de talentos.
  • As fontes de dados do mercado de remuneração estão se tornando cada vez mais importantes. Empregadores estão usando pesquisas convencionais ou pagando fontes de dados de mercado online para compartilhar suas práticas salariais, um aumento de quase 8% em relação ao ano passado e de 24% se comparado a 2017.
  • A igualdade de remuneração está se tornando cada vez mais importante. Mais de 65% das empresas afirmam que o equilíbrio de pagamento entre funções similares é essencial e 46% afirmam que farão uma revisão das políticas de igualdade de pagamento em 2021, o que representa um aumento de 8% em relação ao ano passado.
  • Os empregadores não são tão abertos quanto à remuneração como gostariam. A maioria das empresas (54,6%) deseja poder compartilhar as faixas salariais com os trabalhadores para ajudá-los a entender como progredir em suas carreiras, no entanto, apenas um terço o faz.

Para ler o estudo completo (em inglês), clique aqui. 

enlizt-brasil-blog-sinsalarial-pesquisas-salariais-2021

Pesquisas Salariais 2021: por que seu RH não pode ficar fora 

Esse panorama que apresentamos da Payscale, só evidencia a importância que os dados têm para uma estratégia de remuneração e benefícios. Empresas que estudam e incorporam essas informações, certamente estarão à frente em um mercado cada vez mais competitivo. 

Para que sua empresa possa se beneficiar ainda mais, é muito importante que participe anualmente das pesquisas salariais de seus respectivos setores, uma vez que tais estudos oferecem dados assertivos e insights realmente aplicáveis.

O Enlizt SinSalarial está no mercado há mais de uma década, acompanhando essa evolução e apoiando empresas como a sua, em todo o Brasil, oferecendo oportunidades reais para melhorar a área de gestão de pessoas e ainda aprimorar a atração e retenção de talentos.

Neste primeiro semestre de 2021, o Enlizt SinSalarial lançou pesquisas nos setores de Tecnologia, Varejo e Cooperativas. Para se inscrever e obter mais informações, basta acessar a página Pesquisas Salariais 2021 e garantir a pré-inscrição da sua empresa neste link.

Deixe um comentário