O Fenômeno de Ghosting: O novo desafio dos Recrutadores e Candidatos

O desaparecimento de uma pessoa, sem deixar explicações, se faz cada vez mais presente, de uma forma negativa, no setor de recrutamento. Sabe aquela pessoa, o Michael Myers, que assombra e ignora a sangue-frio, esquece propositalmente dos compromissos e evita a pessoa com quem acabou de se comunicar?

Atualmente, mais do que nunca, empregadores e profissionais de recrutamento tem se sentido “mal-assombrados” quando tentam conduzir o processo de seleção de candidato. Como resultado, o sentimento de frustração e falta de confiança tem ganhado força entre as partes envolvidas e isso tem afetado, e muito, o mundo de recrutamento e os profissionais que buscam recolocação no mercado.

Mas por que isso tem acontecido e o como podemos contornar essa situação antes que seja tarde demais? Esta questão é bem pertinente e pode ser facilmente respondida na teoria, mas na prática é muito mais complexa. Bem, esteja pronto para aprender tudo sobre esses acontecimentos sombrios e se prepare para nunca passar por estas situações novamente.

O que é “Ghosting”?

Ghosting é um termo comumente usado como gíria em relacionamentos. A pessoa se considera “ghosted” quando pára de receber respostas de alguém que estava conversando ou interagindo. Em outras palavras, ghosting significa que uma das pessoas entre duas partes que estavam se comunicando desapareceu sem notificação prévia = se tornou um fantasma, ou seja, quando a falta de resposta “se torna uma resposta”.

Infelizmente, não é somente no cenário de uma relacionamento entre casais que esse fenômeno acontece. Recentemente, temos visto um crescimento significativo de casos “fantasmas” em várias situações, e não é muito diferente no setor de recrutamento.

Neste caso específico de processo seletivo de candidatos, por um lado temos profissionais que não aparecem para as entrevistas agendadas ou no primeiro dia de trabalho, o que leva a uma enorme frustração e estresse por parte do recrutador. Por outro lado, temos recrutadores que simplesmente param de se comunicar com os candidatos e não retornam suas ligações devido à alta competitividade e volume de inscrições para a vaga – deixando os candidatos no escuro.

Por que candidatos e recrutadores estão “sumindo do radar” uns dos outros?

Temos duas razões principais que explicam o que acontece com o desaparecimento de recrutadores e candidatos.

1. Oferta para todos os lados: Por um lado, os recrutadores recebem inúmeros currículos e participam de vários processos de diferentes áreas o que faz com que não tenham tempo suficiente para conseguir retornar a todos os participantes no processo e acabam não comunicando o resultado aos candidatos. Por outro lado, os candidatos se inscrevem para várias posições (média de até 30 por semana), e eles sentem que não precisam responder todas as empresas que entram em contato e desaparecem sem deixar rastros porque, na sua cabeça, acredita-se que os recrutadores possuem candidatos suficientes para preencher a vaga. E no fim, temos esse círculo vicioso de fantasmas nos dois lados.

2. Saída à Francesa: Outras questões que conta para este comportamento é o fato de que os candidatos recebem propostas melhores, recrutadores não oferecem o salário solicitado, candidatos sem profissionalismo, recrutadores desativam a posição publicada, candidatos que nunca realmente quiseram a vaga, recrutadores que simplesmente evitam conversar com os profissionais, etc…

Como resolvemos esse fenômeno de “Ghosting”?  

Uma questão importante para enfatizarmos: não conseguiremos resolver algo se fizermos a mesma que coisa que fazem conosco. Em outras palavras, nunca resolveremos os desaparecimento de candidatos se paramos de nos comunicar com eles sem notificação do que está ocorrendo. Tanto os candidatos quanto os recrutadores precisam se esforçar para que essas situações deixam de ocorrer.

Ei Recrutadores! Vamos tratar os candidatos como pessoas e não como produtos! É muito importante ter isso em mente, pois, lidamos com humanos que possuem sentimentos, que estão ansiosos por uma resposta. Mesmo que o retorno seja negativo, é melhor que não ter resposta alguma. Se você não tem “braço” suficiente para conseguir falar com todos os candidatos, procure por soluções que podem automatizar esse processo. Sempre seja transparente e com comunicação aberta e tente se colocar no lugar desse profissional. Feedbacks são bem importantes para que eles saibam como evoluir.

Ei Candidatos! Vamos ser mais profissionais e mostrar respeito. Por mais que se inscrevam para centenas de vagas, certifique-se de que você passa a impressão certa para os empregadores. Você nunca sabe o que pode acontecer no futuro. Se não quiser comparecer a entrevistas ou ligações, é hora de você repensar nas suas prioridades e se posicionar. Se tornar um fantasma para um empregador definitivamente não é um bom caminho para construir o seu futuro profissional.

Conclusão

Tornar-se um fantasma não é algo que deveríamos nos orgulhar. Isso gera um sentimento de que a pessoa não tem valor e não é boa o suficiente para ter uma resposta sua, independente da situação: relacionamento entre casais, amigos, familiares e, no nosso caso, no ambiente profissional.

Se quisermos viver em um ambiente de respeito e mais profissional, esta é uma tendência que temos que interromper e encontrar uma solução para isso. Comunicação aberta, transparência e honestidade é o início. Vamos agir como humanos, e não como fantasmas!

 

Deixe uma resposta