pessoas conversando sobre Employee Experience

Employee Experience: tudo que seu RH precisa saber

Vamos começar nossa conversa explicando o que é Employee Experience com uma abordagem um pouco diferente do que você costuma ler por aí.

Pare por alguns instantes, feche os olhos e tente resgatar a melhor experiência que você já teve com um produto ou marca. Analise essa situação como se estivesse vivendo esse momento novamente e tente descrever todos os sentimentos que acompanham essa lembrança. 

Agora, pense na empresa onde você trabalha, no cargo que ocupa e tente lembrar como foi o início da sua jornada, desde o momento que você virou um candidato, realizou o processo seletivo com sucesso, passou pela etapa de onboarding e chegou até aí, na cadeira em que está sentado ou sentada agora, lendo esse conteúdo. 

Como foi essa jornada? Quais experiências marcaram a sua história na empresa até o momento? 

Beleza, agora é hora de voltar para a realidade. Sabe esse exercício que acabamos de fazer? ISSO É EMPLOYEE EXPERIENCE.

Esse conceito está muito ligado com a soma de todas as experiências que um colaborador vive em uma empresa, desde o primeiro contato com a marca, antes mesmo de se tornar um candidato, até o fim do vínculo de trabalho.

Mas e qual a importância do Employee Experience na jornada do colaborador? 

Ao desenhar uma jornada de trabalho com base nos conceitos de Employee Experience, entende-se que o funcionário, assim como qualquer consumidor, esteja buscando uma proposta de valor que agregue boas experiências para a sua vida. 

Entregar esse valor na íntegra ajuda no processo de fidelização do colaborador, fortifica a cultura organizacional e melhora o clima da empresa, aumenta a produtividade, reduz a taxa de turnover, dá uma forcinha no engajamento, diminui a margem de erros e melhora a comunicação interna

Veja algumas dicas de ouro de como implementar o Employee Experience na sua empresa

1. Atração

2. Recrutamento e Seleção

3. Onboarding

4. Desenvolvimento

5. Promoção

6. Retenção

7- Separação

8- Alimini

Como já mencionamos, a experiência do colaborador começa antes mesmo de ele pensar em trabalhar na sua empresa. Então, é imprescindível pensar em ações e estratégias que ofereçam uma comunicação clara, objetiva e assertiva em todos os pontos de contato. 

1. Atração

Esse é um dos primeiros pontos de contato que um potencial colaborador terá com a sua empresa. Seja através de uma busca no Google que o levou até o seu site ou então em uma roda de conversa com amigos. 

Por isso, é importante deixar bem claro, em todos os canais de comunicação, os valores e a cultura da sua empresa, gerando transparência e confiança

2. Recrutamento e Seleção

As entrevistas realizadas durante a fase do processo seletivo são um ótimo ponto de partida para que você conheça um pouco mais sobre o candidato. 

#DICADORH: na fase de recrutamento, que aqui no Enlizt gostamos de chamar de engajamento do candidato, você pode solicitar um vídeo para que esse potencial colaborador tenha a oportunidade de se apresentar. É interessante perguntar sobre os seus hobbies, valores e estilo de vida, além de suas motivações ao se candidatar para a presente vaga.

Após a entrevista, é imprescindível que o recrutador dê um feedback a esse candidato, seja ele positivo ou negativo. 

Uma pesquisa da Curriculum aponta que 91% dos candidatos não têm retorno em processos seletivos. Essa percepção pode ter efeitos negativos para sua marca empregadora, então manter a comunicação é o que torna a experiência mais humana. 

3. Onboarding

Primeiro dia na empresa é o momento de fazer o novo colaborador se sentir “em casa”. Durante a integração, RH e líderes precisam estar alinhados com o objetivo de mostrar o funcionamento dos processos internos. 

Materiais de apoio como guias, vídeos e memorandos podem tornar esse momento de reconhecimento da empresa em algo simples e fácil, além de proporcionar uma experiência completa para o colaborador. 

4.Desenvolvimento

A construção de um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) é uma ocasião muito importante entre coordenador e colaborador. 

Durante esse processo, é possível compreender como tem sido a jornada desse funcionário e as ambições que ele traz para conquistar novos desafios e oportunidades de promoção dentro da empresa. 

Treinamentos, feedbacks dos colegas e alinhamentos 1:1 entre líderes e funcionários são essenciais nessa fase. 

5. Promoção

Habilidades desenvolvidas, partiu embarcar em mais uma aventura, agora, em um novo cargo. Lembre-se, transições internas exigem um novo onboarding para que o colaborador não seja pego de surpresa e entenda todas as funções e atividades que devem ser cumpridas. 

Segundo pesquisas, apenas 14,5% dos gestores tiveram treinamento formal antes de assumir a primeira posição gerencial. Essa falta de orientação pode comprometer a performance de um colaborador e, consequentemente, do time como um todo.  

6. Retenção

Reconhecimento é o fator chave para reter talentos. Por isso, é importante saber avaliar o momento certo de rever questões salariais e benefícios, afinal de contas, incentivos financeiros contribuem para uma experiência completa. 

7. Separação

Encerramento de ciclo, seu colaborador está em busca de novas oportunidades, precisa se mudar para uma outra cidade, vai fazer intercâmbio, resolveu aceitar um novo desafio em outra área e empresa. Faz parte! As pessoas mudam e estão sempre em busca de coisas novas. 

Nessa fase de desligamento é importante compreender como foi a jornada desse colaborador, se a experiência que ele vivenciou foi relevante para seu crescimento e se indicaria a organização como uma boa empresa para se trabalhar. Essas são questões muito importantes para a constante melhoria da empresa, então não deixe esse momento passar. 

8. Alumini

Esse termo pode ser novo para algumas pessoas, mas se baseia em fazer networking com ex-colegas. 

Isso mesmo, a relação não acaba quando termina. Manter contato com antigos colaboradores demonstra maturidade, abre oportunidades para negócios futuros e ainda preserva a boa experiência desse colaborador na sua empresa. É isso que chamamos de RH humano. 

Para encerrar esse artigo com chave de ouro, Employee Experience não é:

uma nova tecnologia

– uma interface de sistema bonita e simples

– engajamento

– doces e comidas gratuitas

– benefícios

– marca empregadora

– tratar o colaborador como cliente

Employee Experience é tudo que melhore o sucesso do colaborador e a cultura da empresa, é a soma de todos os pontos de contato entre colaborador e empresa, é tudo que envolve o ser e o sentir de uma pessoa que faz parte de uma organização.

E aí, a sua empresa está preparada para dar o próximo passo na experiência do colaborador? Marque uma conversa com nossos especialistas e entenda como os produtos e serviços do Enlizt podem te ajudar na construção do seu Employee Experience.